Páginas

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

eisFluências de Fevereiro de 2012 - Suplemento





Sinagoga Kahal Zur Israel
por Mercêdes Pordeus

No próximo dezoito de março será mais um DIA NACIONAL DA IMIGRAÇÃO JUDAICA e para entendermos melhor sobre a presença judaica no Brasil e mais especificamente em Pernambuco até o governo holandês, por isso abordamos o tema e falamos também sobre a Primeira sinagoga das Américas, localizada no Recife.
Em primeiro lugar, transcrevo o texto do historiador Leonardo Dantas da Silva, nascido no Recife.


UMA COMUNIDADE JUDAICA NA AMÉRICA PORTUGUESA
Leonardo Dantas Silva [(*)]
(publicação do texto, autorizado pelo autor)

Perseguidos pela Inquisição, os judeus, disfarçados em cristãos-novos, tentavam estabelecer-se no Brasil onde, em algumas partes, detinham 14% da população economicamente ativa. Quando da Dominação Holandesa (1630-1654), a comunidade do Recife veio a ser conhecida internacionalmente, sendo o seu passado objeto do interesse dos estudiosos dos nossos dias. A importância dos cristãos-novos e judeus na formação do Brasil colonial é estudada, de forma pioneira, pelo Prof. José Antônio Gonsalves de Mello, a partir da publicação de Tempo dos Flamengos - Influenciada ocupação holandesa na vida e na cultura do Norte do Brasil (1947) e de forma mais pormenorizada em Gente da Nação - Cristãos-novos e judeus em Pernambuco 1642-1654, Recife: FUNDAJ - Editora Massangana, 1989; 2ª ed. Recife: FUNDAJ - Editora Massangana, 1996.

Da Espanha para o mundo

Quando em 1492 os Reis Católicos de Espanha, Isabel e Fernando de Aragão, vieram a expulsar os judeus sefardins do seu território, parte das famílias transferiu-se para Portugal. A paz durou pouco, pois já em 1497, D. Manuel, Rei de Portugal, obrigou o batismo cristão de todos os judeus, criando assim a figura do cristão-novo, determinando a expulsão daqueles que não viessem a adotar a religião católica romana. Assim, segregados em determinadas áreas urbanas e obrigados a adotar uma nova religião, os judeus permaneceram em terras do Portugal continental e em terras de além-mar, alguns praticando às escondidas rituais da Lei Mosaica, até 1536, quando da implantação do Tribunal do Santo Ofício da Inquisição. Temendo o poder da Inquisição, responsável por milhares de vítimas quando de sua atuação na Espanha, a gente da nação, como também eram chamados os judeus, iniciou a sua dispersão em busca de outras terras. Em 1537, Carlos V autorizou a instalação de alguns deles em Antuérpia; em 1550, Henrique V, de França, permite o estabelecimento de homens de negócios e "outros portugueses cristãos-novos" [sic] em cidades francesas, dando assim origem aos grupos conversos de Bordéus, Baiona, Tolosa, Nantes, Ruão; que só viriam a ser reconhecidos como membros da comunidade judaica no séc. XVIII. Na década de 1590, iniciou-se a migração da França para Hamburgo e Amsterdam, cidades onde vieram a se fixar. Outros, porém, movidos pela aventura e pela possibilidade de enriquecimento fácil, vieram tentar a sorte no Brasil, onde chegaram a integrar uma considerável parte da população, estimada em 14% na capitania de Pernambuco. (clique na revista para ler a continuação)

6 comentários:

Efigênia Coutinho disse...

SOBRE A PROSPECÇÃO ARQUEOLÓGICA

por Mercêdes Pordeus

Estimada amiga, essa parte de arqueologia, eu sou uma fascinada, pois tudo que vem da história do Tempo, tem muito para ser analisando e percebido no mundo atual, meus PARABÉNS, onde seu trabalho tem alto conhecimento, com o requinte necessário para o leitos apreciar e aplaudir.

Com meu carinho,

Efigênia Coutinho

virgínia além mar vicamf disse...

Mto obrigada por enviar-me o material e
Parabéns queridos Victor Jerônimo,Carmo Vasconcelos e Mercedes Pordeus por talento, carisma e enpenho na realização deste trabalho que contrubiu com a divulgação do conhecimento.
Apreciei a iniciativa do Blog da Revista "eisFluências".Abraços afetuosos, virgínia fulber NHamurgo RS BR


Livro de visitas http://ecosdapoesia.org/guestbook/index.php

Anónimo disse...

Parabéns a 'eisFluências', pela iniciativa deste suplemento!
Está deveras objetivo, abrangente, por este motivo haverá de ter sucesso tanto para os que conhecem como principalmente os que não tiveram a oportunidade de conhecer a história dos judeus em Pernambuco desde primórdios. Doravante, poderão ter uma ótica eficiente, para casos de pessoas que não dispõem de muito tempo, contudo sentiam a necessidade deste informativo para acrescentar a seus conhecimentos e divulgar à pessoas amigas interessadas.
Os textos foram bem selecionados, com autores de grande competência. A conclusão e coordenação também preciosa e ilustrativa. As pessoas que apreciam cultura certamente foram presenteadas!

MEUS RABISCOS disse...

Querida Efi, muito obrigada pelo comentário. Eu também amiga sou por demais fascinada pelas prospecções arqueológicas e esta acompanhei muito de perto diariamente.Temos fotos da prospecção e posterior a ela.
O Artigo do LeonardO Dantas foi o fator de grande enriquecimento que resumiu a história da civilização judaica em Pernambuco.
Achei muito importante trazer ao conhecimento, o que às vezes não temos oportunidade de ler e tão resumidamente com completude.
Acho de muita valia que possamos conhecer essas contribuições uns dos outros e assim sabermos mais das localidades do Brasil.
Beijo

MEUS RABISCOS disse...

Virginia
Muito grata pelo seu comentário e pelo artigo e pelo blog, que Victor tão caprichosamente criou.
Obrigada por dedicar um pouco do seu tempo nessa leitura que , para mim, é muito importante saber a influência de um povo na nossa cultura e levar para além de nós.
Receba meu carinhoso abraço
Mercedes Pordeus

MEUS RABISCOS disse...

Anônimo

Obrigada pelo comentário, por ter lido a Revista.
Vejo que entendeu perfeitamente o nosso objetivo nesta edição.
Como nem sempre temos oportunidade de ler grandes trechos da história foi esse mesmo nosso desejo.
Obrigada e parabéns.
Cordialmente